quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Voá

Passaram-se quase 2 semanas desde o dia em que lhe disse que não tinha moeda.Ele insistiu um bocado mas depois percebeu que eu não tinha mesmo moeda (tinha mas não o posso deixar andar em tudo o que mexa) e deixou-se ficar dentro do helicóptero a inventar voos e brincadeiras, ou não fosse ele um apaixonado por máquinas: helicópteros, aviões, comboios, tinónis, camiões, gruas, escavadoras, etc.

Ontem à noite apanhou uma coisa e disse-me:
- O que é mãe?
- Parece-me uma moeda mas daqui não vejo bem.
- Uma moeda? Vou guadá para o helicopo!!!



A loucura por tudo o que voa não desaparece e até pára para tentar perceber se a luz que vê, á noite, no céu, é uma estrela ou um avião. Sabe que basta esperar um pouco para ver se ela se mexe. A Lua, o Sol e as estrelas fazem parte das conversas diárias desde a nossa ida ao Planetário que ele não esquece e muito mais agora que escurece mais cedo. 

Hoje eram 6h45 da manhã e estava uma Lua cheia muito nítida e brilhante, o Diogo sentado no carro diz-me:
- Mãe, Diogo vai voá como o Pité Pan e levar fita cola á Lua.
- Vais buscar a Lua? - pergunta o pai.
- Xim, com fita cola a voá como o Pité Pan.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Bacalhau Podre no Parque dos Piratas

Não tem sido fácil gerir tempo e actividades. Existem aqueles dias e aqueles meses... mas para o Diogo existe sempre tempo.

Apesar da imaginação andar a falhar a esta mãe e um certo cansaço sussurrar, o Diogo tem ajudado porque tem pedido para ir para o Parque dos Piratas. O Parque Alvito mudou de nome por causa do barco que lá existe e andamos a ver o Peter Pan, Por norma temos o Capitão Gancho que é bacalhau podre, eu que sou o Barriga, os lápis servem de espada e existem tesouros.

Ele adora o Parque que tem bastante espaço e divertimentos que lhe permitem fazer tudo sozinho. Ele anda com a mania de querer fazer tudo sozinho e sem ajudas - está a crescer, é capaz e quando não é "desenrasca-se".








quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Estou de Neura

A mim é que não há maneira de me passar esta má disposição. 

Primeiro tive um novo vizinho de baixo que até metia medo e fazia muito barulho. Depois de noites, noites e noites mal dormidas ou em branco, de toneladas de medicamentos para acordar, para dormir, para os nervos acabei por arranjar coragem, perder o medo e fui falar com ele.

Chegámos a um entendimento, o barulho não desapareceu mas diminuiu muito e já não era audível com os tampões nos ouvidos. Comecei a conseguir dormir mas... 3 meses depois, não sei o que aconteceu o vizinho mudou e voltámos ao mesmo. 

Desta vez é uma vizinha que não mete medo mas não tem consciência do barulho que faz e da forma como é audível, principalmente quando depois das 21h/21h30 todo o prédio composto principalmente por famílias com bebés e crianças pequenas entra em modo de standby e quase absoluto silêncio. 

Depois das 22h nem um piu se ouve. Ontem deixei-lhe lá uma carta simpática vamos lá ver o que acontece porque desta vez nem com tampões para os ouvidos me tenho safado tal é a forma como ela fecha gavetas, portas e arrasta móveis. É que não queria nada envolver a PSP nestas questões descritas na Lei mas que se tornam de resolução muito complicada se não forem feitas a bem.

Mas as pessoas vivem nas casas ou estão lá para as partir???

O Melhor Remédio

No Domingo acordou mal disposto ás 6h30 da manhã e foi arejar...

Apanhou conchas, paus e infelizmente algum lixo. Andou de um lado para o outro, correu. Subiu e desceu as rochas. mandou pedras. 

Passou-lhe!!!


segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Galochas

Isto foi imediatamente à saída da Decatlon. Imaginem quando eu lhe vestir o equipamento impermeável completo.


Efeitos do Planetário

São 19h30 minutos e está muito escuro. Diz o pai:
- Está escuro.
- Não tá nada!!! - responde o Diogo.
- Está, Está.
- Não tá nada curo.
- Então se não está escuro onde está o Sol?
- Não tá nada curo. O Sol tá é condido atás das nuvens.