terça-feira, 11 de abril de 2017

No Parque

Não temos saído muito, as obras, as mudanças, as doenças têm feito deste Inverno um Inverno completamente anormal, tão anormal que até o Diogo se queixa.

Aproveitando uma aberta, até do tempo, fomos ao parque onde rapidamente o Diogo se fartou das diversões e se divertiu a subir e descer os sobreiros.

Às tantas sentou-se a ver um pai e um filho a brincarem com 2 barcos telecomandados e:
- Oh mãe compra-me um barco telecomandado.
- Vai pedir ao teu pai.
- Oh mãe...
- Vai pedir ao pai.
E lá vai ele a sussurrar muito baixinho:
- Pai compra-me um barco telecomandado.
E o pai responde:
- Hã? Hã? Hã?






A Grande Birra

Bem... o Diogo esteve cá com uma neura. Foi tão grande que deu cabo do juízo á avó, ao pai e a mim. Éramos 3 e mesmo assim...

Depois do almoço fomos ao parque, ele adormeceu no carro e esteve maravilhoso toda a tarde mas mal chegamos a casa foi o cabo dos trabalhos. Nada o satisfazia, o acalmava, só falava a gritar e a chorar - horrível.

Fiquei possessa, apertei-lhe um braço, obriguei-o a lavar imediatamente os dentes, vesti-lhe o pijama e cama mas... mesmo assim ele teve quase 1h a implicar sozinho com tudo, até que finalmente adormeceu. Desgastante :(

Se em dias como o de Domingo, em vez de 1 eu tivesse 2 Diogos, rapidamente transformar-me-ia no Monstro Que Vive Debaixo Da Cama de todas as criancinhas. 😓

Amigos?

O Diogo queixou-se do ouvido esquerdo, no passado Sábado, e como ele nunca se queixa de nada lá fomos nós para a Estefânia.

Vinhamos do hospital e diz o Diogo:
- Já não me dói muito o ouvido. Já dói pouco.
Provoca-o o pai:
- Mas quando chegares a casa vais ter de te deitar durante dois dias para a dor passar.
Prontamente diz o Diogo:
- Cala-te, que eu já não quero ser teu amigo.